Forum de Discussão

Número de respostas: 74

Vamos refletir um pouco sobre as mudanças que estamos vivenciando atualmente e as ocorridas no passado em relação à educação de surdos. 

Será que os pontos negativos e positivos atuais têm relação com o que ocorreu no passado?

Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Daniane Pereira -
A educação de surdos passou por diversas mudanças ao longo do tempo, e existem conexões entre o que é feito hoje e as práticas do passado. No passado, muitas vezes, a língua de sinais era desencorajada e a comunicação oral era enfatizada, o que limitava o acesso dos surdos à educação. No entanto, ao longo dos anos, houve uma valorização crescente da língua de sinais e uma compreensão maior da importância da identidade cultural e linguística dos surdos. Hoje temos a modalidade de ensino bilíngue de surdos, conforme alteração da LDB pela Lei nº 14.191/2021, mas, desafios persistem, como a disponibilidade de recursos e profissionais qualificados, a falta de padronização de práticas educacionais e a necessidade contínua de combater estigmas e preconceitos. A educação de surdos hoje é influenciada por esse contexto histórico, mas também está em constante evolução à medida que novas abordagens e pesquisas surgem para melhorar a experiência educacional e social dos surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Sebastiana Adriana Miguel Pereira -
Sim, os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos podem ter relação com o que ocorreu no passado. As mudanças e avanços na educação de surdos ao longo do tempo podem influenciar tanto os aspectos positivos, como a inclusão e o reconhecimento da língua de sinais, quanto os aspectos negativos, como a persistência de preconceitos e desafios na acessibilidade e qualidade da educação. É importante refletir sobre o passado para compreendermos melhor o presente e buscar melhorias para o futuro.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Paulo Henrique Tomas Campos -
- Os pontos negativos são as crianças surdas encontram outro desafio no sistema educacional, pois as escolas não possibilitam as mesmas condições pedagógicas de alfabetização para alunos surdos comparados a alunos ouvintes, visto que não falam a mesma língua. Um dos principais desafios da inclusão dos alunos surdos no contexto escolar é a inclusão da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nas disciplinas escolar desde a alfabetização até a formação do docente.
- Os pontos positivos são a utilização da Língua de Sinais é uma forma de garantir a preservação da identidade das pessoas e comunidades surdas. Além disso, contribui para a valorização e reconhecimento da cultura surda. A pessoa surda, através da Língua de Sinais, pode desenvolver integralmente todas as suas possibilidades cognitivas, afetivas e emocionais, permitindo sua inclusão e integração na sociedade. O bilinguismo favorece o desenvolvimento cognitivo e a ampliação do vocabulário da criança surda. A aquisição da língua de sinais vai permitir à criança surda, acessar os conceitos da sua comunidade, e passar a utilizá-los como seus, formando uma maneira de pensar, de agir e de ver o mundo.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Luana de Jesus Felix Sousa -
A história dos surdos passaram por muitos desafios no passado, ao nascerem surdos eram mortos, eram desprovidos de direitos, não podiam votar nem casar, depois veio a questão de poder sinalizar e depois não poder mas, entre outros pontos, porém depois do Congresso de Milão e o INES, Acredito que os surdos tiveram mas força e voz para lutar pelos seus direitos, atualmente vemos poucos surdos trabalhando são poucos que conseguem adquirir espaço na sociedade trabalhista. Atualmente temos várias leis que atuam para defender os direitos dos surdos, como a lei 10.436 de 24 de abril de 2002, entre outras leis.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Natalice Melo -
Sim, tanto os pontos negativos e os positivos atuais tem relação com o que aconteceu no passado.
A comunidade surda já conseguiu bastante coisa ao longo do tempo, como a lei de Libras, intérpretes, escolas bilíngue, etc. Mas essa luta é continua e envolve vários atores diferentes.
Todos os dias pessoas surdas enfrentam situações diferentes de exclusão e preconceito passando despercebidos por os ouvintes como se fossem invisíveis. “A deficiência não está na surdez, mas em quem se recusa a escutar a voz das pessoas surdas.”
Quebrar as barreiras da acessibilidade exige que a gente quebre os nossos preconceitos e se aproxime mais da comunidade surda.
Em resposta à Natalice Melo

Re: Forum de Discussão

por Antonia Alves da Silva Silva -
isso mesmo colega .... estamos cada dia mais tentando compreender e entender os surdos de forma em geral, realizando estudos diários com mas aproximação de seus dias a dia e linguagem de sinais .
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por FRANCICSO RENER DA SILVA SILVA -
Começamos a nossa reflexão sobre a cultura dos surdos nas palavras de Karin Strobel, cultura surda significa “o jeito de o sujeito surdo entender o mundo e de modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável ajustando-os com as suas percepções visuais”.  A autora afirma ainda que, a cultura surda “abrange a língua, as ideias, as crenças, os costumes e os hábitos do povo surdo (STROBEL, 2013, p. 27).

No entanto assistindo as aula é perceptivo para alguns autores em não considerar os indivíduos que são surdos na sua forma de lhe dar com o conhecimento, sociedade e mundo. Porém por outro lado existem autores que pensam ao contrário e entendem que os surdos precisam ser oportunizado um ambiente linguístico, com estímulo adequado e interação com pares proficientes na língua, possibilita-se o desenvolvimento da linguagem/língua da criança.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Adriana Maria dos Santos Soares -
Ao analisar o Processo Histórico da Pessoa Surda na Sociedade, nos faz relembrar um trajeto de dor, discriminação, falta de respeito, empatia do ser humano pelo o outro. Também nos remete que grandes lutas aconteceram e que mesmo em meio a tanto sofrimento, grupos pequenos de pessoas não se permitiram desaminar e sonhar em uma melhor condição de vida, de educação e sucesso.
Atualmente, como sabemos temos diversos documentos que defendem a pessoa surda na sociedade, porém muitos apenas em documentos, ainda há muito o que se conquistar.
O que o surdo é hoje na sociedade é sim consequência de um passado assustador, de falta de oportunidade dos mesmos nas atividades socias. Por isso, que nós ouvintes, devemos sim aprender a conhecer toda a história da pessoa surda, conhecer a cultura surda, não para termos pena, mas para sermos sensível, termos um olhar empático, caloroso e respeitoso para com os mesmos, lembrando sempre que toda pessoas surda é capaz de desenvolver qualquer habilidade, independente de local ou lugar. Não ouvir não os tornam incapazes dos demais. O que o surdo precisa hoje é de acessibilidade plena nos mais diverso espaços sociais. Hoje temos uma valorização maior para com a pessoas surda, mas precisamos lutar juntos aos surdos para novas conquistas.
Em resposta à Adriana Maria dos Santos Soares

Re: Forum de Discussão

por Ana Carolina Borges Castro -
exatamente Adriana, seu comentário reflete a jornada de desafios e superações enfrentados pela comunidade surda ao longo da história, ressaltando a discriminação e a falta de oportunidades. Destaca a importância de conhecer a cultura surda e a história, não por pena, mas para cultivar empatia e respeito. Reforça a capacidade e habilidades individuais dos surdos, enfatizando a necessidade de acessibilidade plena para uma sociedade mais inclusiva.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Antonia Alves da Silva Silva -
A história da educação dos surdos desenvolve-se continuamente e tem
alcançado grandes conquistas apresentando momentos de mudanças. Durante
muito tempo, e em diversos momentos da história, os surdos foram colocados à
margem da sociedade, sendo considerados incapazes, rejeitados pela sociedade e
posteriormente isolados nos asilos para que pudessem ser protegidos. Não se
acreditava que pudessem ter uma educação formal em função da sua anormalidade,
ou seja, aquela conduta marcada pela intolerância obscura na visão negativa, vistos
como anormais ou doentes. Em alguns países, os surdos foram lançados ao mar,
jogados do alto dos rochedos, abandonados. Algumas culturas simplesmente
eliminavam as pessoas com deficiências, outras adotavam práticas de interná-los
em grandes instituições de caridade, junto com doentes e idosos (SASSAKI, 2006).
Aristóteles acreditava que os surdos eram incapazes de raciocínio, que o
pensamento era apenas desenvolvido e formado por meio da fala. Como essa não
podia se desenvolver sem a audição e se o indivíduo não escutava ou falava,
portanto esse não formulava pensamento e raciocínio.
Goldfeld (1997) afirma que na antiguidade os surdos eram vistos com piedade
e compaixão, como pessoas castigadas pelos deuses e que as pessoas com surdez
eram primitivas e não poderiam ser educadas. Entretanto, registros das experiências
do médico Gerolamo Cardano, no século XVI, concluíram que surdez não
prejudicava a aprendizagem, uma vez que os surdos poderiam aprender a escrever
e assim expressar seus sentimentos (JANNUZZI, 2004).
A partir da afirmação de Cardano, vários educadores se propuseram a
desenvolver diferentes métodos para ensinar as crianças surdas. Dentre os
educadores, destaca-se o monge beneditino Pedro Ponce de Leon, no século XVI,
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Elineide FERNANDES -
Com certeza. Devido à decisão tomada no Congresso de Milão, os surdos foram muito prejudicados no que diz respeito à aprendizagem e utilização da Língua de Sinais. A proibição de seu uso trouxe um retrocesso sem precedentes para a comunidade surda, que foi privada durante mais de 100 anos de praticar sua Língua materna e sendo forçados a "aprender" a oralização.
Em resposta à Elineide FERNANDES

Re: Forum de Discussão

por Rejane Moreira da Costa Costa -
Corroboro com a sua opinião Elineide Fernandes: A decisão tomada no Congresso de Milão prejudicou e muito o desenvolvimento das pessoas surdas no que diz respeito à aprendizagem e utilização da Língua de Sinais. Sem sombra de dúvida foi um verdadeiro retrocesso.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Edneide Maria Ferreira Santos -
Vimos nos dois vídeos apresentados na terceira unidade (Fundamentos da Educação de Surdos) um breve estudo sobre a História da Educação de Surdos no Brasil e no mundo, e como o ensino e aprendizagem da pessoa surda foi mudando com o passar do tempo. Uma vez que a concepção pedagógica da educação de surdos teve como finalidade básica a prática do oralismo, até a volta do uso da língua de sinais.
Aprendemos neste material (os dois vídeos) que nos foi disponibilizado que, infelizmente, houve uma época em que a pessoa surda não podia se comunicar usando as mãos. Os métodos orais eram obrigatórios e mais importantes que a língua de sinais (isso ficou evidenciado, principalmente, no Congresso de Milão, em 1880). No entanto, com a influência do educador francês, Charles Michel de L’ Épée (conhecido como “pai dos surdos”), no ensino da libras. E com as contribuições de Eduard Huet, sobre esse assunto no Brasil. O uso do oralismo, como já foi dito, foi aos poucos substituído pela prática da língua de sinais.
Apesar de algumas conquistas (INES/1857, Lei n° 10436/2002, etc.), a comunidade surda continua lutando por seus direitos, por um ensino, que priorize, sobretudo, a prática do bilinguismo nas escolas, com a presença de professores e intérpretes especialistas na área de libras. E toda essa pauta de reivindicações por uma educação de qualidade, é reflexo do que aconteceu com a história da educação das pessoas surdas no passado.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Júlio Andrioni -
A história da educação dos surdos tem passado por constantes mudanças; os surdos tem vivenciado diferentes situações em cada período da história, muitas delas de "escravidão", onde era tido como pessoa doente e/ou deficiente, precisando ser consertado para o convívio social, para oferta de trabalho, até para casamento e herança de bens, já isso mais antigamente. O modelo clínico da surdez sim é vista como ponto negativo, pois o surdo é considerado inapto para a aprendizado, precisa "falar" para ser um sujeito com direitos. Já o modelo social, agora muda este quadro, sendo visto como um sujeito que pode aprender, que é apenas diferente e não deficiente. Pode se comunicar! O Congresso de Milão, as metodologias de ensino através da oralização, a proibição do uso da Libras, amordaçaram os surdos. O Congresso de Salamanca dá uma certa "liberdade", trazendo o sujeito surdo à inclusão, à participação da sociedade, ao convívio com surdos e ouvintes. Agora, hoje", eis a metodologia bilíngue que vem dar valor à língua materna, a Libras. Mas ainda falta a Escola Bilíngue, aos ensino e aprendizagens através do uso da Libras. A luta, os movimentos sempre foram árduos mas trouxeram progresso e vitória à comunidade surda. As políticas públicas engatinham, mas vem trazendo valores aos direitos dos surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Maria Luiza Carlos da Silva -
De modo, historicamente falando, atualmente há resquícios tantos negativos como positivos para as pessoas surdas tanto na vida educacional como profissional. Pois, a forma lenta de como acontece os avanços nas conquistas das lutas de pessoas surdas por seus direitos nos lembra a demora ao ensino de LIBRAS, o surgimento de escolas fundadas para o acesso de surdos ao longo dos anos.
Como nos tempos atuais temos o Projeto de Lei 2403/22 altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) para incluir conteúdo da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nos currículos da educação básica (da pré-escola ao ensino médio) e isso ainda não funciona, da mesma forma que pouco se ver intérprete nas escolas ou em setores públicos. E sim é notório as conquistas alcançadas pelas pessoas surdas e a comunidade surda, como emprego, o direito a LIBRAS, a ter intérprete e no mais, instituições que ofertam cursos direcionados a educação de surdos e a LIBRAS
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por JEREMIAS DA CRUZ -
Os pontos positivos e negativos atuais na educação de surdos têm, em muitos casos, raízes nas práticas do passado. O reconhecimento dos erros históricos e o compromisso com abordagens mais inclusivas são fundamentais para superar desafios persistentes. À medida que a sociedade evolui, é crucial continuar promovendo uma educação que respeite a diversidade, garanta o acesso a recursos adequados e valorize as identidades e línguas dos surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ROSANA XAVIER DE OLIVEIRA -
Certamente, ao refletir sobre as mudanças na educação de surdos, é possível identificar conexões entre o passado e o presente. Os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos estão, em parte, relacionados ao histórico de práticas educacionais e sociais do passado. As mudanças positivas refletem uma crescente compreensão da diversidade linguística e cultural dos surdos, enquanto os desafios atuais podem estar relacionados à superação de práticas antigas e à implementação eficaz de abordagens inclusivas.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Rejane Moreira da Costa Costa -
Os Surdos tiveram seu direito linguístico desrespeitado ao longo do tempo, sem sombra de dúvida. Infelizmente muitos ainda acreditam que o surdo deve ser oralizado.
No Brasil, houve uma valorização crescente da língua de sinais e uma compreensão maior acerca da importância da identidade e cultura surda. As escolas devem ser bilíngues, porém ainda temos muito o que melhorar e lutar. Atualmente temos muitas pesquisas e estudos que visam melhorar e aprofundar questões importantes e relevantes sobre a Educação das pessoas com surdez.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Andiara Salgado -
Sim, pontos negativos: antes ano 2010 não tinha lei interprete de Libras, não tinha lei 2002 língua de sinais e os outros, surdos mais sofrem e sociedade, mas falta que interprete de Libras dentro no hospital esse é importante como comunicar com os surdos.
pontos positivos: melhoras leis línguas de sinais, interprete de Libras, formação dos surdos pode trabalha educação, e vários.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Gilmara Pereira da Costa -
A educação de surdos passou por diversas mudanças ao longo do tempo, e existem conexões entre o que é feito hoje e as práticas do passado. No passado, muitas vezes, a língua de sinais era desencorajada e a comunicação oral era enfatizada, o que limitava o acesso dos surdos à educação. No entanto, ao longo dos anos, houve uma valorização crescente da língua de sinais e uma compreensão maior da importância da identidade cultural e linguística dos surdos. Hoje temos a modalidade de ensino bilíngue de surdos, conforme alteração da LDB pela Lei nº 14.191/2021, mas, desafios persistem, como a disponibilidade de recursos e profissionais qualificados, a falta de padronização de práticas educacionais e a necessidade contínua de combater estigmas e preconceitos. A educação de surdos hoje é influenciada por esse contexto histórico, mas também está em constante evolução à medida que novas abordagens e pesquisas surgem para melhorar a experiência educacional e social dos surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Jesildo Nascimento Barbosa -
Quanto refletimos sobre as mudanças que estamos vivenciando atualmente e as ocorridas no passado em relação à educação de surdos, trago as considerações de Siqueira e Aguillena (2015) que, discutem que essa mudança na educação de alunos surdos e/ou com deficiência auditiva deve-se principalmente ao desenvolvimento da legislação que apoia a educação inclusiva para alunos com deficiência. O objetivo das legislações voltadas para a inclusão é fornecer educação apropriada para alunos com deficiência e ajudá-los a melhorar suas habilidades sociais em um ambiente apropriado. Especificamente, a lei exige que as escolas forneçam todo o apoio educacional aos alunos com deficiência na sala de aula para que a inclusão ocorra de fato. Assim, as mudanças se deram por meio de lutas sociais que colocaram em cena um novo modo de pensar sobre a surdez, o surdo e sua língua.
Um dos principais desafios da inclusão dos alunos surdos no contexto escolar é a inclusão da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nas disciplinas escolar desde a alfabetização até a formação do docente.
Entre as principais conquistas, estão as vitórias legais, que contam com três importantes leis dos últimos 13 anos: a lei nº 10.436 (2002), que reconhece a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como forma legal de comunicação; a lei nº 5.626 (2005), que exige o cumprimento da educação bilíngue (Libras e língua portuguesa na modalidade escrita); e a nº 12.319 (2010), que regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete de Libras.

Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por MARILENE DOS SANTOS OLIVEIRA SILVA -
A educação dos surdos contemporaneamente está sofrendo uma queda. Lutaram muito, e ainda assim as ameaças de fechamento do Ines por falta de verba, a batalha para valorizarem os Intérpretes como profissionais, porém, os mesmos poderes que legalizam a classe, a desvaloriza em termos econômicos. Reconhecem direitos de acompanhamentos aos surdos, mas na prática não tem a devida fiscalização para a efetivação de fato deste direito.
Em resposta à MARILENE DOS SANTOS OLIVEIRA SILVA

Re: Forum de Discussão

por ALINE DEISE DE SANTANA OLIVEIRA -
Concordo com sua colocação Marilene,
É uma luta constante, altos e baixos e como não bastasse o incentivo governamental tem sido cada vez menos, criam leis mas na pratica não possibilitam verbas e etc para que as mesmas entrem em pratica.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por DEYSE NEGREIROS DE OLIVEIRA -
Percebemos que a vivência de pessoas surdas na sociedade, veio avançando e melhorando no decorrer do tempo, antigamente a vida social de alguém surdo era bem limitada, hoje temos mais acesso e mais informações para buscar facilitar e incluir essas pessoas na sociedade. Acredito que as mudanças positivas e ainda os aspectos negativos que temos hoje, são sim resultados do que ocorreu no passado, as melhorias ocorreram por que os estudos foram envoluindo, as pessoas foram compreendendo e diminuindo o preconceito, enfim, somos consequências do passado e não podemos nos abster a ele, é necessário correr atrás e continuar buscando as melhorias pra um futuro próximo.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Gilmara Santana de Souza Freire -
A educação de surdos no Brasil passou por várias fases que influenciou diretamente à qualidade de ensino. Os pontos positivos são as leis promulgadas na educação inclusiva como a Lei9394/9_que trouxe o direito dos surdos ter acesso às práticas pedagógicas e interagir com ouvintes não apenas no ensino aprendizagem ,   mas também no brincar e ter seus direitos  aceitos.
Como pontos negativos  temos ainda a pouca qualificação  dos profissionais da área  e poucos intérpretes  de Libras.
A educação  bilíngue surgiu contra o Oralismo e a Comunicação Total. É  a mais atende as peculiaridades da surdez,  pois tem acesso a duas culturas diferentes. Não  robotiza o surdo e não  o obriga a ser o que ele não  é. 
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Sandra Oliveira de Moura Medeiros -
A história e luta dos surdos no Brasil é longa, vindas desde o império. Muitos pontos negativos têm relação com o passado, mas, em contra partida ,os pontos positivos são resultados também de pequenas e grandes conquistas do passado.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Deyse Inácio -
De fato, a proibição da lígua de sinais em 1880 foi um grandre retrocesso que inviabilizou a continuidade do desenvolvento e divulgação da língua. E sim, os pontos positivos e negativos do passado afetam diretamente a realidade vivida pelos sujeitos surdos na sociedade, pois os estudos na área da linguística de Stokoe a respeito da língua de sinais americana, impactou os estudos nas demais línguas de sinais pelo resto do mundo. Devemos ter o cuidade de ao pensar na educação de surdo, antes dar voz ao sujeitos de direito, ou seja, é através dele, com ele e para ele que a educação deva ser pensada, assim como para qualquer ser humano que está em seu processo forativo, ser levado em consideração aquilo que de fato necessita. Pois, vimos que no congresso de Milão, o desrespeito que ouvintes queriam decidir como seria a educação de surdos, numa proposta que não valorizava o própio sujeito surdo.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Thaiana Ferreira dos Santos -
O histórico sobre a educação de surdos foi diverso, houveram momentos de restrições , julgamentos , mas em decorrência dos movimentos surdos foram modificadas algumas realidades . O método oralista é o reflexo do retrocesso de uma das conquistas que o abade L'Eppe alcançou ao ilustrar para a sociedade que a língua de sinais se tratava de um idioma natural da comunidade surda . Esse episódio marcou fortemente os registros sobre a educação de surdos . Apesar dos avanços, as políticas públicas brasileiras necessitam aprimorar as diretrizes que respaldam os direitos educativos dos surdos . Sabemos que os fatos históricos ainda se fazem presentes na percepção de muitas pessoas , afinal, é um contingente menor incluído na sociedade, que por sua vez representa milhões de cidadãos que necessitam de uma educação de qualidade .
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por MAEBY GOMES BUOSI -
Penso que, após muita resistência para manter a língua de sinais e a cultura surda viva, a comunidade conquistou um espaço considerável refletido pelas leis que garantem os direitos do cidadão surdo (como a lei do intérprete e o direito a educação bilingue para surdos), o reconhecimento da Libras como a segunda língua oficial brasileira e a liberdade de construção identitária pautada nas vivências entre pares surdos.
Porém, a visão estigmatizada acerca da surdez advém - na minha opinião - da falta de informação que ainda há.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ADACI ESTEVAM RAMALHO NETO -
Sim, as mudanças na educação de surdos ao longo do tempo refletem avanços significativos, bem como desafios persistentes. No passado, muitos surdos enfrentavam a proibição de usar a língua de sinais e eram incentivados a adotar métodos orais. Essas práticas muitas vezes resultavam em barreiras à comunicação e à aprendizagem.

Com o reconhecimento crescente da importância das línguas de sinais e o respeito à identidade surda, houve avanços no sentido de promover métodos educacionais mais inclusivos e culturalmente sensíveis. No entanto, desafios ainda persistem, incluindo a necessidade de garantir acesso equitativo a recursos educacionais, formação de professores e reconhecimento das línguas de sinais como línguas legítimas.

Portanto, ao refletir sobre as mudanças atuais na educação de surdos, é possível traçar uma conexão com desafios e avanços do passado, destacando a importância contínua de promover práticas educacionais inclusivas e respeitosas da diversidade linguística e cultural da comunidade surda.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por EMILLY DE SOUSA MEDEIROS -
Certamente, as transformações ao longo do tempo na educação de surdos refletem avanços significativos e, ao mesmo tempo, desafios persistentes. Historicamente, muitos surdos enfrentavam a proibição de utilizar a língua de sinais, sendo incentivados a adotar métodos orais. Essas práticas frequentemente resultavam em obstáculos à comunicação e à aprendizagem.

Com o crescente reconhecimento da importância das línguas de sinais e o respeito à identidade surda, observamos avanços na promoção de métodos educacionais mais inclusivos e culturalmente sensíveis. Contudo, desafios ainda subsistem, como a necessidade de assegurar acesso equitativo a recursos educacionais, investir na formação de professores e reconhecer as línguas de sinais como idiomas legítimos.

Assim, ao contemplar as mudanças contemporâneas na educação de surdos, é possível estabelecer uma ligação com os desafios e progressos do passado, enfatizando a importância contínua de fomentar práticas educacionais inclusivas e respeitosas da diversidade linguística e cultural da comunidade surda.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ALESSANDRA BATISTA ANTONIO -
A história da Educação de Surdos deixou marcas na comunidade surda e isso reflete no ensino de surdos. No passado tentaram barrar, impedir que as pessoas surdas utilizassem a Língua de Sinais, mas isso causou muito prejuízo aos surdos. Hoje vemos como o uso e a disseminação do ensino de Libras tem trazido benefícios, tanto para surdos como para ouvintes, pois favorece a inclusão, a comunicação e a garantia de direitos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Maria Jucineide de Souza -
Muito se tem lutado pelo abandono dos métodos oralistas para obter sucesso no reconhecimento da importância da língua de sinais para a formação das pessoas surdas, bem como na necessidade de se abandonar as práticas exclusivas nas escolas com a finalidade de diminuir a exclusão e promover a inclusão das pessoas. Porém, na prática, infelizmente, existem poucas instituições escolares brasileiras que efetivamente oferecem uma educação bilíngue capaz de promover uma educação de qualidade e ações que contribuam para a legítima inclusão dos surdos no Brasil, por isso a luta da comunidade surda continua necessária e urgente em nosso país.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Marineide Gerônimo Felix -
Certamente, a reflexão sobre as mudanças na educação de surdos ao longo do tempo é crucial para entender os pontos positivos e negativos atuais, podemos explorar alguns aspectos chave:

1. Passado: Historicamente, a educação de surdos costumava ser dominada por métodos oralistas, nos quais se enfatizava o ensino da fala e da leitura labial. Isso muitas vezes resultava na exclusão da Língua de Sinais, prejudicando a comunicação efetiva para os surdos.

2. Presente: Atualmente, há uma compreensão mais ampla da diversidade linguística e cultural dos surdos. Muitos defensores da comunidade surda defendem a utilização da Língua de Sinais como uma língua legítima e eficaz para a comunicação. Além disso, abordagens bilíngues, que combinam o ensino da língua de sinais e a língua oral escrita, têm ganhado aceitação em muitos lugares.

3. Passado: O estigma social associado à surdez frequentemente resultava em isolamento e discriminação, afetando negativamente o desenvolvimento educacional e social dos surdos.

4. Presente: A conscientização sobre a importância da inclusão e da diversidade levou a mudanças significativas. As políticas de inclusão educacional buscam garantir que os surdos tenham acesso a uma educação de qualidade em ambientes inclusivos. No entanto, desafios persistem, incluindo a falta de recursos e capacitação para educadores.

5. Passado: A tecnologia desempenhou um papel limitado na educação de surdos no passado, com recursos limitados para auxiliar a comunicação e o aprendizado.

6. Presente: Avanços tecnológicos, como aplicativos de tradução de texto para língua de sinais, dispositivos de audição avançados e plataformas online, oferecem novas oportunidades para a educação e comunicação de surdos. No entanto, o acesso a essas tecnologias ainda podem ser desiguais.

Em resumo, as mudanças na educação de surdos refletem uma evolução na compreensão das necessidades e direitos dessa comunidade. Enquanto progressos significativos foram alcançados, desafios persistem, destacando a importância contínua da reflexão, adaptação e busca por abordagens inclusivas e equitativas.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Wesley Castro -

Será que os pontos negativos e positivos atuais têm relação com o que ocorreu no passado?

Durante boa parte da história da comunidade surda, a pessoa surda sempre foi vista como alguém inferior, ou alguém que era incapaz de viver em sociedade de maneira plena. “A imposição das regras de normalização representou uma grande tensão entre surdos e ouvintes devido à violência contra a cultura surda, marcada até hoje na história da educação de surdos.” (Lacerda, 2021).

Essa visão arcaica sobre o surdo, que remota desde a antiguidade, perdura através do preconceito que está enraizado na sociedade, não é incomum ouvirmos pessoas se referindo aos surdos como, “surdo-mudo”, ou achar que libras são apenas gestos, ou mimicas e não uma língua com estrutura e gramática própria. “Essa atitude de julgar e excluir uma pessoa do convívio social devido à cor de sua pele, sua classe econômica, suas especificidades físicas, mentais ou sensoriais e sua língua é algo muito recorrente em uma sociedade que geralmente adota um modelo deficitário para caracterizar aqueles que não se enquadram em uma ‘norma’ ou ‘padrão’ preestabelecidos.” (Sousa, 2018).

Toda via, a constante luta pela comunidade surda permitiu que diversos paradigmas fossem rompidos e que muitos direitos fossem conquistados. Percebe-se também um aumento continuo pela busca, dos ouvintes, em aprender libras. “As concepções de surdez e de pessoa surda passaram por várias mudanças, desde o modelo biomédico, que considera o surdo doente, até o modelo socioantropológico, que o considera detentor de cultura e língua próprias. Esse novo olhar situa a pessoa surda em outra esfera, a qual aprecia sua diferença e valoriza sua capacidade de desenvolvimento. Evidencia que as ações do homem, no transcorrer da história, excluem, segregam e raramente incluem o surdo”. (Duarte, 2013). As escolas estão cada vez mais se adaptando para receber alunos surdos, o mercado de trabalho recebe cada vez mais interpretes e espaços que antes eram inacessíveis aos surdos hoje já estão mais acessíveis. A sociedade como um todo estar se desvinculado da ideia que aquilo que foge ao padrão não é útil ou não merece atenção e se tornando uma sociedade mais inclusiva e adepta das diferenças.

Referências

DUARTE, Soraya Bianca Reis et al. Aspectos históricos e socioculturais da população surda. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.20, n.4, out.-dez. 2013, p.1713-1734.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de, Tenho um aluno surdo, e agora? – Introdução à Libras e educação de Surdos. São Paulo. EDUFSCar.  2021. 254p.

SOUZA, Rosemeri Bernieri de; Língua brasileira de sinais - Libras II.  Indaial. UNIASSELVI, 208. 263 p.; il.


Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por MARILENE DOS SANTOS OLIVEIRA SILVA -
Os acontecimentos do passado influenciam muito em nossa contemporaneidade, mas precisamos fazer muito na área acadêmica referente aos sujeitos surdos. As crianças ainda estão prejudicadas, principalmente as que são filhos (as) de pais ouvintes. Um dos pontos negativos é a falta de Professores Bilíngues. Outro ponto negativo é que os Intérpretes de Libras estão sendo feitos de docentes (bengalas). O ponto positivo a inclusão de Intérpretes de Libras.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Rebeca Henrique -
atualmente os surdos são mais respeitados do que antes, tendo respeitado a sua língua, sua cultura e seus direitos. Não foi sempre assim, pois ao longo da história as pessoas surdas foram desrespeitadas e violadas; Tudo o que tem avançado hoje é fruto de muita luta e resistência surda.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Neurismar Coutinho dos Santos -
Acredito que os pontos positivos dessas mudanças aconteceram por meio das lutas sociais que colocaram em cena um novo modo de pensar sobre a surdez, o surdo e sua língua. Atualmente, a ideia na educação de surdos é voltada ao Bilinguismo. A Libras é considerada a língua natural do surdo brasileiro e seus usuários são capazes de expressar tudo que uma língua oral conseguiria. Já em relação aos pontos negativos, ainda tem muito a se lutar para uma educação de qualidade para os surdos, principalmente para a formação e qualificação dos professores.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por José Rodrigo Alecrim da França -
Certamente, as lutas passadas e atuais para que a comunidade surda e sujeito surdo tivessem direitos dentro de um pais, região ou cidade ainda são as mesma. porém , com avanços que so foram acontecidos devido a busca por reconhecimento e direitos. a crianção de leis e de escolas ,foi fundamental para que o surdos participem ativamente de uma sociedade e nela todos os outros fossem alcançados a partir deste.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ERICK LEANDRO DA SILVA -
A educação de surdos é um tema importante e complexo, que envolve aspectos linguísticos, culturais, sociais e políticos. A história da educação de surdos no Brasil e no mundo mostra que houve muitas mudanças ao longo do tempo, algumas positivas e outras negativas, que influenciam a situação atual dos surdos na sociedade e na escola.
Partindo desse pressuposto, podemos refletir sobre os seguintes pontos: A língua de sinais é a língua natural dos surdos, que expressa sua identidade, sua cultura e seu modo de pensar. A Língua Brasileira de Sinais (Libras) é reconhecida como língua oficial dos surdos no Brasil desde 2002, mas ainda enfrenta muitas barreiras para ser valorizada e difundida na educação e na comunicação com os ouvintes; educação bilíngue de surdos é a modalidade de ensino que respeita a Libras como primeira língua e o português escrito como segunda língua dos surdos. Essa modalidade foi sancionada como lei em 2021, mas ainda precisa ser implementada de forma efetiva nas escolas bilíngues de surdos, nas classes bilíngues de surdos, nas escolas comuns ou nos polos de educação bilíngue de surdos; a história da educação de surdos mostra que houve períodos de opressão e exclusão dos surdos, como o oralismo, que proibia o uso da língua de sinais e tentava impor a oralização dos surdos, negando sua diferença e sua diversidade. Também houve períodos de resistência e luta dos surdos, como o movimento surdo, que reivindicava o direito à língua de sinais, à educação bilíngue, à acessibilidade e à participação social dos surdos; a educação de surdos ainda enfrenta muitos desafios na realidade brasileira, como a falta de professores qualificados em Libras, a escassez de material didático bilíngue, o preconceito e a discriminação contra os surdos, a dificuldade de acesso à informação e à cultura, a baixa qualidade do ensino e da aprendizagem, entre outros; a educação de surdos também apresenta muitas potencialidades e avanços, como o reconhecimento da Libras como língua oficial, a criação de políticas públicas de educação bilíngue, a produção de conhecimento científico sobre a surdez, a valorização da cultura e da identidade surda, a ampliação dos espaços de convivência e de interação entre surdos e ouvintes, entre outros.
Portanto, a educação de surdos é um campo em constante transformação, que reflete as mudanças históricas, sociais e culturais que ocorreram no passado e que estão ocorrendo no presente. Uma reflexão crítica sobre esse tema deve reconhecer as conquistas e os desafios dos surdos na educação, na comunicação e na sociedade, e buscar contribuir para a promoção dos seus direitos, da sua cidadania e da sua inclusão.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Layana Ferreira -
Mudanças Positivas:

Reconhecimento da Língua de Sinais: No passado, a língua de sinais era frequentemente desencorajada em favor da oralização. Atualmente, há um reconhecimento crescente da importância da língua de sinais na educação de surdos, reconhecendo-a como uma língua legítima e valiosa.

Inclusão: Historicamente, muitos surdos foram isolados em escolas específicas para surdos, o que poderia resultar em segregação e estigmatização. Hoje, há um movimento em direção à inclusão, promovendo a participação de surdos em escolas regulares e garantindo adaptações adequadas.

Tecnologia Assistiva: As inovações tecnológicas modernas, como implantes cocleares, aparelhos auditivos avançados e softwares educacionais, proporcionam oportunidades adicionais para os surdos participarem ativamente da educação e da sociedade.

Mudanças Negativas:

Oralização Forçada: No passado, a ênfase excessiva na oralização muitas vezes deixava de reconhecer as habilidades e preferências individuais dos surdos. Em alguns casos, isso resultava em frustração e falta de sucesso acadêmico.

Desconhecimento da Cultura Surda: A falta de reconhecimento da identidade surda e da cultura surda levou a uma lacuna na compreensão das necessidades específicas dos surdos. Isso pode ter contribuído para práticas educacionais inadequadas.

Estigma e Discriminação: No passado, o estigma associado à surdez poderia resultar em discriminação, limitando as oportunidades educacionais e profissionais para os surdos. Embora tenha havido melhorias, ainda há desafios a serem superados.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Vilmar Rodrigues -
Os surdos, sofreram, perderam suas vidas, seus direitos foram tirados por muitos anos, após estas barbáries que foram feitas ainda há muito a ser conquistado com muita luta e empenho um dia teremos a igualdade para todos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Jeysenei dos Santos Tapajós -
Certamente, as mudanças que estamos vivenciando atualmente na educação de surdos têm raízes nas experiências do passado. Para entender melhor os pontos negativos e positivos atuais e sua relação com o passado, é útil examinar alguns aspectos históricos da educação de surdos: Oralismo e Exclusão: Durante grande parte da história, a abordagem dominante na educação de surdos era o oralismo, que enfatizava o ensino da fala e da leitura labial, muitas vezes à custa do uso da língua de sinais e da cultura surda. Isso levou à exclusão de muitos surdos das oportunidades educacionais e sociais. As críticas ao oralismo e o reconhecimento da importância da língua de sinais e da identidade surda levaram a mudanças significativas na educação de surdos. Atualmente, há uma valorização crescente da diversidade linguística e cultural dos surdos, com um foco maior na educação bilíngue (língua de sinais e língua oral) e na inclusão. Institucionalização e Isolamento: Muitos surdos eram enviados para instituições segregadas, onde enfrentavam isolamento social e negligência educacional. Isso resultou em uma falta de acesso a uma educação de qualidade e oportunidades de interação com a comunidade ouvinte. Hoje em dia, há um movimento em direção à inclusão e à integração dos surdos em escolas regulares, onde podem receber apoio educacional e interagir com colegas ouvintes. No entanto, desafios persistem em garantir que esses ambientes sejam verdadeiramente inclusivos e acessíveis para todos os alunos surdos. Reconhecimento da Língua de Sinais: Ao longo do tempo, houve um reconhecimento crescente da língua de sinais como uma língua legítima e importante para a comunicação e a identidade cultural dos surdos. No entanto, esse reconhecimento nem sempre foi universal, e a língua de sinais foi frequentemente suprimida em favor do oralismo. Hoje, a língua de sinais é reconhecida como um componente vital da educação e da comunicação para muitos surdos. Existem esforços contínuos para promover o uso e o ensino da língua de sinais, bem como para garantir a acessibilidade linguística em todas as áreas da vida dos surdos. Os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos refletem tanto os desafios históricos enfrentados pela comunidade surda quanto os progressos e mudanças que ocorreram ao longo do tempo. A compreensão das experiências passadas é fundamental para informar e orientar as práticas educacionais e políticas no presente e no futuro.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Sandra Oliveira de Moura Medeiros -
Olá colegas.
Conhecer a história é o primeiro passo para transformar o futuro e corrigir os erros passados. Sendo assim, não seria diferente com a trajetória da comunidade surda. AS vitórias e derrotas atuais sofridas na luta pela inclusão das pessoas surdas, têm sim relação com o que ocorreu no passado , as experiências passadas servem como base para sempre procurarmos a evolução da inclusão, evitando cometermos os erros anteriores.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ALISSON CIRILO -
Certamente, podemos refletir sobre as mudanças significativas que ocorreram e estão ocorrendo na educação de surdos ao longo do tempo. Os pontos negativos e positivos atuais estão, de fato, relacionados com o que ocorreu no passado, pois as políticas, abordagens pedagógicas e percepções sociais moldaram e continuam a moldar a experiência educacional das pessoas surdas.
Pontos Negativos Relacionados ao Passado: Exclusão e Discriminação; Abordagens Oralistas Forçadas: Falta de Acesso a Recursos Adequados. Pontos Positivos Relacionados ao Passado: Desenvolvimento de Comunidades Surdas; Avanços em Pesquisa e Educação Especializada. Pontos Negativos e Positivos Atuais: Desafios Persistentes de Acesso e Equidade; Avanços Tecnológicos e Inclusão Digital.
Dessa fomra, os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos estão intrinsecamente ligados às experiências passadas, refletindo tanto os desafios persistentes quanto os avanços significativos ao longo do tempo. É fundamental reconhecer esses contextos históricos e continuar trabalhando para superar as desigualdades e promover uma educação inclusiva e equitativa para todos os surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ROSANA XAVIER DE OLIVEIRA -
As mudanças que estamos vivenciando atualmente na educação de surdos estão intrinsecamente relacionadas com as transformações ocorridas no passado. Tanto os aspectos positivos quanto os negativos refletem, em certa medida, as práticas e as políticas adotadas historicamente em relação à educação dessa comunidade. Vamos explorar essa relação:
Pontos positivos atuais e sua relação com o passado:
Maior reconhecimento da diversidade linguística e cultural surda: No passado, a educação de surdos muitas vezes era baseada em métodos oralistas que desvalorizavam as línguas de sinais, como a LIBRAS. Atualmente, há um reconhecimento crescente da importância da LIBRAS e da cultura surda na educação desses indivíduos, refletindo uma mudança positiva em relação ao passado.
Ênfase na inclusão e acessibilidade: No passado, a segregação era comum na educação de surdos, com escolas e instituições separadas para esses alunos. Hoje, há um movimento significativo em direção à inclusão desses alunos em escolas regulares, além de um maior investimento em recursos e tecnologias para tornar o ambiente educacional mais acessível.
Pontos negativos atuais e sua relação com o passado:
Persistência de desigualdades e desafios na educação: Apesar dos avanços, ainda existem desigualdades significativas na educação de surdos, incluindo disparidades na qualidade do ensino, falta de acesso a recursos adequados e estigma social. Esses problemas têm raízes históricas, resultantes de décadas de marginalização e discriminação.
Resistência a mudanças e paradigmas ultrapassados: Em alguns casos, práticas ultrapassadas na educação de surdos ainda persistem devido à resistência a mudanças por parte de educadores, instituições e até mesmo de alguns pais. Essa resistência pode ser influenciada por ideias arraigadas que foram estabelecidas no passado e que continuam a influenciar as políticas e práticas educacionais atuais.
Em suma, os pontos positivos e negativos atuais na educação de surdos estão interligados com as mudanças e eventos ocorridos no passado. Reconhecer essa relação histórica é essencial para compreender os desafios atuais e orientar esforços para promover uma educação mais inclusiva, equitativa e eficaz para a comunidade surda.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Natália Cavalcanti Mendes -
Dessa dificuldade surgem os problemas de evasão escolar e baixo acesso ao Ensino Superior e ao mercado de trabalho. E quando se fala em comunicação, é preciso pensar na importância da Língua Brasileira de Sinais (libras), reconhecida como segunda língua oficial no país desde 2002 de acordo com a lei 10.436/2002.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Natália Cavalcanti Mendes -
Pontos positivos: Uma grande forma de garantir acessibilidade a todos eles é prestando atenção na forma mais básica de comunicação, que é a visual. Falar sempre de frente para a turma, gesticular fortemente e prestar atenção à forma como o estudante está captando a mensagem é essencial para que o ensino seja eficaz.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por PRISCILA DOS SANTOS -
Com toda certeza.
Os Surdos tiveram suas vidas direcionadas e decididas por ouvintes durante muito tempo. Desde antes de Cristo existem registros de pessoas Surdas, as quais eram obrigadas/forçadas a falar, não possuiam direito algum e quase sempre eram excluídas da sociedade.
É possível afirmar que muita coisa mudou, seja por conta das lutas, dos movimentos que trouxeram ao surdo o cumprimento de seus direitos. No entanto, ainda há decisões que são tomadas por ouvintes, enquanto deveriam ser discutidas e tomadas por surdos. Um grande exemplo que temos na nossa sociedade é o sistema educacional, onde grande parte é voltado pra metodologias que favorecem apenas os ouvintes.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Antonia Andréia Rodrigues -
Ao longo do tempo a educação de surdos passou por diversas transformações, acredito que o que foi conquistado até hoje tem sim grande influência do passado. Ainda há muito a ser conquistado e evoluído, se não fossem os primeiros passos e as conquistas, não teríamos o que temos hoje, portanto, de muita importância e com certeza ainda será feito muito mais.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ROSANA XAVIER DE OLIVEIRA -
Com certeza, as mudanças que estamos vivenciando atualmente na educação de surdos têm uma relação direta com o que ocorreu no passado. Muitos dos pontos negativos e positivos atuais podem ser compreendidos e detalhados a partir da evolução da abordagem educacional para surdos ao longo do tempo. Por exemplo, no passado, a educação de surdos muitas vezes foi marcada por práticas segregativas e uma ênfase exclusiva na oralização, o que resultou em exclusões e limitações no desenvolvimento educacional e social dos surdos. Atualmente, vimos uma mudança significativa na direção a abordagens mais inclusivas, que regularmentem e valorizam a língua de sinais e a identidade surda, proporcionando maior acesso a oportunidades educacionais e culturais. Essas mudanças refletem não apenas avanços na compreensão da surdez, mas também o impacto das lutas e reivindicações dos próprios surdos e da comunidade surda por seus direitos e reconhecimento.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Erika da Costa cruz -
Revisando a história das pessoas surdas antigamente, suas lutas, exclusão, outros mortos pela ideia da imperfeição não ser aceita, outras culturas venerados, pensando serem conectados a Deus. E também toda evolução, manifestos em prol da educação de surdos, vemos que foi significativo todas as lutas, pois muitas conquistas foram alcançadas. Como escolas , recentemente aprovada educação bilingue para surdos, nas universidades já temos disciplina de Libras.
Mas ainda precisamos lutar pela causa surda. Vejo ainda dentro das escolas muita resistência da equipe, gestores e professores antigos em aceitar a diferença linguística das pessoas surdas. Recentemente tive desprazer de ver e ouvir na escola que eu trabalho, professoras arcaicas dizer que “sempre foi assim” que eles não aprendem, tem outras deficiências, ou seja querem que eu trabalhe como se fossem doentes mentais, sem leva em consideração sua diferença de comunicação e compreensão das coisas a sua volta, eu fiquei revoltada , como pode tanta gente sem noção, falando de inclusão sem nem se quer entender o que os alunos da própria escola sabem ,ou querem. Do tempo que os alunos frequentam a escola, são incapazes de perceber ou saber o sinal de cada um deles. Meus surdos sempre se queixam do dia que tem palestra na escola , quando eu não estou. Porque não tem acessibilidade, muitas vezes nem slide os convidados levam, até musica já teve ,e foi no celular , ou seja meus garotos não viram nada para entender a movimentação daquelas atividades, sem nenhum proposito funcional. Além disso a escola atende várias deficiências que também não são contempladas com esse tido de programação através do bla,blá bla.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Saturnina Soares de Carvalho Ferreira -
Prezados colegas,

Historicamente era posto que as crianças surdas deveriam ser submetidas à reabilitação o mais cedo possível; fazia-se o treino para o aproveitamento dos resíduos auditivos, fazendo-os discriminar aquilo que ouviam; para esse trabalho era imprescindível a adaptação da prótese auditiva, e também estava incluída no processo a utilização de leitura labial. O último passo seria a expressão oral, ou seja, a fala propriamente dita. Ainda hoje há uma grande força na abordagem educacional oralista.
Por diversas vezes, ouço dizer “mais seria melhor se ele soubesse fazer a leitura desse material” ou “por que será que a família não optou pelo implante coclear” falas assim ainda demonstram como os aspectos históricos estão entrelaçados no processo educacional atualmente, apesar das conquistas da comunidade surda.
No tempo que atingiram progressos, os desafios persistem, destacando a importância contínua da reflexão, adaptação e busca por abordagens inclusivas e equitativas. Sabendo que o surdo não precisa almejar uma vida semelhante à do ouvinte, ao contrário, ele deve assumir sua surdez.


Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Aline Florêncio de Almeida -
Infelizmente, percebemos muitos resquícios de perspectivas antigas na educação de surdos ainda hoje. Muitas gestões de escolas de surdos ainda propõe um ensino ouvintista mesmo quando a instituição se denomina bilíngue. Trago e compreendendo o ouvintismo na prática escolar como apresentado por Giordani (2003):

Uma escola que tem Libras em seu currículo, como um jogo de vocabulário, uma escola que os professores ‘sabem’ Libras, mas não vivem e pensam sobre ela. Uma escola planejada nos usos monolíngues da vida dos seus professores ouvintes. Uma escola que reconhece a importância de rediscutir o currículo, que se dedica para novas aprendizagens, no entanto uma escola pensada pelos ouvintes, na lógica das aprendizagens planejadas e elaboradas por ouvintes. Professores ouvintes que já não mais correspondem às práticas terapêuticas, professores leitores da pedagogia da diferença, mas ainda assim professores ouvintes. (GIORDANI, 2003, p. 134)

Logo, percebemos o quanto os professores surdos ainda não têm espaço ou não têm suas opiniões consideradas ou valorizadas dentro de algumas escolas. Acredito que tudo isso pode ser considerado como resquício das concepções antigas de surdez e de sujeito surdo.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ROSANA XAVIER DE OLIVEIRA -
Sim, é importante refletir sobre as mudanças na educação de surdos ao longo do tempo e como os pontos negativos e positivos atuais podem ter relação com o que ocorreu no passado. Aqui estão algumas considerações:
Comunicação e Acesso à Educação: No passado, a educação de surdos muitas vezes estava centrada em métodos que não valorizavam a língua de sinais, como a oralização forçada. Isso levava à exclusão e à falta de acesso à educação para muitos surdos. Atualmente, com um reconhecimento maior da importância das línguas de sinais e o avanço da tecnologia, os surdos têm mais opções de comunicação e acesso à educação, seja por meio de escolas bilíngues ou tecnologias assistivas.
Valorização da Identidade Surda: No passado, a identidade surda muitas vezes era desvalorizada, e os surdos eram encorajados a assimilar-se à comunidade ouvinte. Hoje, há um movimento crescente de valorização da identidade surda e orgulho na cultura surda, o que pode levar a uma maior inclusão e respeito dentro do ambiente educacional.
Recursos Educacionais: No passado, os recursos educacionais disponíveis para surdos eram limitados, com poucos materiais e professores qualificados. Hoje, embora ainda haja desafios nesse aspecto, existem mais recursos educacionais desenvolvidos especificamente para surdos, incluindo livros, vídeos, aplicativos e softwares educacionais.
Inclusão e Acessibilidade: No passado, a educação de surdos muitas vezes era segregada, com escolas exclusivas para surdos que os isolavam da comunidade ouvinte. Hoje, há um movimento em direção à inclusão, com mais esforços sendo feitos para integrar os surdos em escolas regulares e garantir que esses ambientes sejam acessíveis e inclusivos.
Portanto, os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos podem certamente ter relação com o que ocorreu no passado, refletindo mudanças nas atitudes sociais, avanços tecnológicos e evolução das políticas educacionais.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por MARLON ANUNCIATO LIMA -
No Brasil o processo histórico da educação de surdos teve início em setembro de 1857, durante o período imperial por meio Decreto imperial n,839, com a fundação do Imperial Instituto dos Surdos-mudos, sediado no Rio de Janeiro. O histórico dos desafios na educação de surdos é grande. No Brasil, em 2002, a Lei 10.436 oficializou a Língua Brasileira de Sinais e instituiu a presença de um tradutor ou intérprete de línguas em diversos espaços. Quatorze anos depois, mesmo com a legislação, ainda existem vários déficits no cumprimento do que foi estabelecido. No entanto, é preciso lembrar que já foi ainda pior.
As pessoas surdas foram recorrentemente excluídas do convívio social durante séculos. A atitude partia da ideia de que sem a linguagem oral não era desenvolvido o pensamento, ou seja, quem não escuta não fala e quem não fala não pensa. Sendo assim, eram privados da educação básica. Ao longo da jornada educacional de surdos, três correntes metodológicas ou filosóficas se destacam, são elas: o oralismo, a comunicação total e o bilinguismo. que também não teve sucesso foram fracas em relação a desenvolvimento e evolução com o passar do tempo sentiu-se com a Lei 5.626 de 2005 institui o ensino de Libras para todos os curso de formação de professores, sejam eles de nível superior, médio ou de magistério. Algumas instituições ainda não disponibilizam a disciplina. Além de toda essa problemática, mestres e doutores com surdez defendem que o ensino de pessoas surdas deve ser feito por professores surdos garantindo assim a identidade de pessoas surdas na comunidade fazendo com que todos tenham uma forma de pensar e vê o mundo com bases em seus princípios norteadores.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Sabrina Brito -
Sim, os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos estão intimamente relacionados com o que ocorreu no passado. Aqui estão algumas maneiras pelas quais as mudanças históricas impactam a situação atual:

Legado do Oralismo versus Reconhecimento da Língua de Sinais: No passado, o oralismo dominava a educação de surdos, o que significava que a comunicação oral era enfatizada em detrimento da língua de sinais. Isso levou à supressão da identidade surda e à falta de acesso à linguagem plena para muitos surdos. Hoje, os pontos positivos e negativos estão relacionados com o reconhecimento crescente da língua de sinais como uma língua legítima e valiosa para a comunicação e a educação. O reconhecimento dessa língua trouxe uma mudança positiva na forma como os surdos são educados, proporcionando uma base linguística sólida e promovendo o orgulho cultural surdo.

Segregação versus Inclusão: No passado, as escolas para surdos frequentemente segregavam os alunos surdos do restante da sociedade, resultando em isolamento e falta de oportunidades de interação social e educação inclusiva. Hoje, os pontos positivos e negativos estão relacionados com a busca pela inclusão dos alunos surdos em escolas regulares e na sociedade em geral. Embora haja um movimento em direção à inclusão, ainda existem desafios na implementação efetiva, incluindo a falta de recursos adequados e a necessidade de conscientização e treinamento para educadores e colegas.

Avanços Tecnológicos: No passado, o acesso a tecnologias de assistência para surdos era limitado, o que poderia criar barreiras adicionais à educação e à comunicação. Hoje, os pontos positivos e negativos estão relacionados com os avanços tecnológicos que melhoram a acessibilidade para surdos. Embora esses avanços tenham proporcionado benefícios significativos, como dispositivos de implante coclear e recursos de legendagem em tempo real, também existe o risco de dependência excessiva da tecnologia, o que pode prejudicar a autonomia e a fluência na língua de sinais.

Em resumo, os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos têm uma relação direta com as práticas e políticas do passado. Reconhecer e aprender com essa história é fundamental para avançar em direção a uma educação mais inclusiva, equitativa e eficaz para todos os alunos surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Cícero Gonçalves de Meneses -
No passado os surdos tinham poucas oportunidades de serem alfabetizados. Em muitas ocasiões as aulas eram ministradas apenas em língua portuguesa e não havia a sinalização por meio da língua de sinais , a libras. Hoje por causa das políticas públicas e das leis de inclusão são possíveis vermos surdos sendo educados, alfabetizados de forma mais eficiente, produtiva. Desta forma o processo de ensino e aprendizagem dos surdos tem melhorado bastante nos dias atuais. Claro que precisamos de muito mais avanços em relação a essa questão. Um abraço!
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Valéria Rolim -
A educação de surdos passou por diversas mudanças ao longo do tempo, e existem conexões entre o que é feito hoje e as práticas do passado. No passado, muitas vezes, a língua de sinais era desencorajada e a comunicação oral era enfatizada, o que limitava o acesso dos surdos à educação.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por MARIA VITORIA LOUREIRO DO NASCIMENTO VIEIRA -
Com certeza, a reflexão sobre as mudanças na educação de surdos ao longo do tempo revela uma série de pontos positivos e negativos que se relacionam com o que ocorreu no passado. Pontos Positivos: Reconhecimento da Língua de Sinais: No passado, a língua de sinais foi frequentemente desencorajada e até mesmo proibida em ambientes educacionais. Hoje, há um reconhecimento crescente da importância da língua de sinais como uma língua natural para a comunicação dos surdos. Isso levou a uma maior valorização e uso da língua de sinais na educação, proporcionando aos surdos acesso a informações e oportunidades educacionais de maneira mais eficaz: Inclusão , acessibilidade, conscientização e sensibilidade Pontos Negativos:Desafios Persistentes na Comunicação: Apesar dos avanços, ainda existem desafios significativos na comunicação entre surdos e ouvintes na educação. A falta de proficiência na língua de sinais por parte dos educadores e a falta de acesso a intérpretes qualificados podem dificultar a comunicação eficaz e o aprendizado dos estudantes surdos, como : Desigualdades no acesso e qualidade da Educação; e ainda os desafios culturais e sociais Em resumo, enquanto houve progresso significativo na educação de surdos ao longo do tempo, ainda há áreas que requerem atenção e melhorias contínuas. Os pontos positivos e negativos atuais estão, de fato, relacionados com as experiências passadas, destacando a importância de aprender com o passado para informar as práticas educacionais no presente e no futuro.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Edneusa Rodrigues de sousa frança -
As mudanças que estamos vivenciando atualmente em relação à educação de surdos estão diretamente ligadas às transformações ocorridas no passado. Ao longo da história, a educação de surdos passou por diversos paradigmas e abordagens, desde a exclusão e segregação até a inclusão e valorização da cultura surda.
Atualmente, estamos vivenciando uma mudança significativa nesse cenário, com a valorização da língua de sinais, o reconhecimento da identidade surda e a implementação de políticas de inclusão e acessibilidade. Essas mudanças estão trazendo benefícios para a comunidade surda, proporcionando oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento pessoal.
Porém, ainda existem desafios a serem superados, como a falta de profissionais capacitados, a deficiência na formação de educadores e a resistência de alguns setores da sociedade em aceitar a diversidade linguística e cultural dos surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por CRISTIANE DIAS SOUZA CAMPOS -
Definitivamente, há uma relação entre os pontos positivos e negativos que observamos atualmente na educação de surdos e o que ocorreu no passado. Vamos analisar algumas dessas relações:

Pontos Positivos:
Valorização das Línguas de Sinais: No passado, as línguas de sinais foram frequentemente desvalorizadas e até proibidas em muitos contextos educacionais. Hoje, há uma crescente valorização das línguas de sinais como línguas naturais e legítimas para a comunicação e educação de surdos.
Abordagem Bilíngue: No passado, predominavam abordagens oralistas que enfatizavam o ensino da fala e da leitura labial, muitas vezes em detrimento das línguas de sinais. Atualmente, há uma valorização crescente da abordagem bilíngue, que reconhece a importância de ensinar tanto a língua de sinais quanto a língua falada, proporcionando assim uma educação mais inclusiva e eficaz para os surdos.
Tecnologia Assistiva: As tecnologias assistivas avançaram significativamente, oferecendo recursos como implantes cocleares, aparelhos auditivos avançados, dispositivos de comunicação alternativa, entre outros, que ajudam a melhorar a qualidade de vida e a acessibilidade dos surdos no ambiente educacional e social.

Pontos Negativos:
Desafios na Implementação: Apesar dos avanços, ainda existem desafios na implementação efetiva de abordagens bilíngues e na garantia de acesso igualitário à educação de qualidade para os surdos em muitos lugares ao redor do mundo.
Preconceito e Discriminação: Infelizmente, o preconceito e a discriminação ainda são realidades enfrentadas por muitas pessoas surdas, o que pode impactar negativamente sua experiência educacional e social.
Diversidade de Métodos: A diversidade de métodos e abordagens na educação de surdos pode levar a divergências e debates sobre qual é a melhor maneira de ensinar e apoiar os surdos em seu desenvolvimento educacional e linguístico.
Em suma, os pontos positivos e negativos atuais na educação de surdos refletem tanto os avanços conquistados ao longo do tempo quanto os desafios contínuos que precisam ser enfrentados para garantir uma educação inclusiva e de qualidade para todos. É importante aprender com a história e continuar trabalhando para promover ambientes educacionais que respeitem a diversidade linguística e cultural das pessoas surdas.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Vanessa Regina Casali Raganhan -
Sim, as mudanças atuais na educação de surdos têm relação com o que ocorreu no passado. No passado, a educação de surdos era baseada em métodos orais, que enfatizavam a leitura labial e a fala, e não levavam em consideração a língua de sinais.
Hoje, no Brasil, a ideia na educação de surdos é voltada ao Bilinguismo. A Libras é considerada a língua natural do surdo brasileiro e seus usuários são capazes de expressar tudo que uma língua oral conseguiria.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por ROSANA XAVIER DE OLIVEIRA -
Certamente, as mudanças atuais na educação de surdos são influenciadas pelas experiências do passado. Vamos refletir sobre os pontos positivos e negativos atuais em relação à educação de surdos e como eles se relacionam com o que ocorreu no passado:
Pontos Negativos Atuais:
Exclusão Linguística: No passado, a educação de surdos muitas vezes se baseava em métodos que desencorajavam o uso da língua de sinais em favor da oralização. Isso resultava em exclusão linguística e dificuldade de comunicação para os alunos surdos. Hoje, embora a abordagem bilíngue seja mais reconhecida, ainda há casos em que a língua de sinais é subvalorizada em ambientes educacionais.
Falta de Acessibilidade: No passado, os recursos de acessibilidade eram escassos ou inexistentes, dificultando o acesso dos surdos à educação. Embora tenham ocorrido melhorias significativas nessa área, ainda há desafios persistentes em garantir a acessibilidade de materiais, instalações e tecnologias educacionais para os alunos surdos.
Pontos Positivos Atuais:
Reconhecimento da Identidade Surda: Houve uma mudança significativa na compreensão da surdez como uma identidade cultural e linguística única. Isso tem levado a uma valorização maior da língua de sinais e da comunidade surda, promovendo um ambiente mais inclusivo nas escolas.
Avanços Tecnológicos: Os avanços tecnológicos, como dispositivos de comunicação assistida e softwares de tradução, têm melhorado significativamente o acesso dos surdos à informação e à comunicação. Essas tecnologias ajudam a superar barreiras de comunicação e a promover a participação plena dos alunos surdos na educação.
Em resumo, os pontos negativos e positivos atuais na educação de surdos têm relação direta com as práticas e experiências do passado. As abordagens educacionais do passado que desvalorizavam a língua de sinais e ignoravam as necessidades específicas dos alunos surdos contribuíram para desafios persistentes na educação atual. No entanto, as mudanças ocorridas ao longo do tempo, como o reconhecimento da identidade surda e os avanços tecnológicos, têm impulsionado melhorias significativas na qualidade e acessibilidade da educação para os surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por MARLON ANUNCIATO LIMA -
Certamente, as mudanças que estamos vivenciando atualmente na educação de surdos podem ser analisadas em relação ao passado, considerando os pontos negativos e positivos.
No passado, a educação de surdos era marcada por uma abordagem predominantemente oralista, que enfatizava o ensino da língua oral e reprimia o uso da língua de sinais. Essa abordagem limitava a comunicação e a expressão dos surdos, dificultando seu desenvolvimento linguístico e social.
Com o passar do tempo, ocorreram mudanças significativas na forma como a educação de surdos é concebida. A valorização da língua de sinais como uma língua legítima e a adoção de abordagens bilíngues e biculturais trouxeram avanços importantes. Isso permitiu que os surdos se expressassem plenamente e tivessem acesso a conteúdos educacionais de forma mais inclusiva.
No entanto, ainda existem desafios a serem superados. Um ponto negativo atual é a falta de acesso igualitário à educação de qualidade para todos os surdos. Muitas vezes, recursos e profissionais especializados são escassos, dificultando o pleno desenvolvimento das habilidades dos surdos.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Luciana Goes -
sim, os alunos serem proibidos de sinalizar no inicio, trouxe grandes danos para a atualidade, pois hoje os surdos ainda sofrem preconceito e nao tem seus direitos respeitados, alguns nao tem o mínimo que é um interprete.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por JOSE JESUS RODRIGUES DA SILVA -
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) sem dúvida é um divisor de águas na atualidade no que tange as mudanças positivas que tivemos em relação à educação de surdos. Em seu artigo segundo, no que trata sobre os Princípios e Fins da educação Nacional, afirma que “respeito à diversidade humana, linguística, cultural e identitária das pessoas surdas, surdo-cegas e com deficiência auditiva” (Brasil, 2021).
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Valeria de Lima Saraiva Velozo Saraiva Velozo -
A Educação de surdos é uma garantia do direito da pessoa surda à liberdade de expressão, à educação e à igualdade em contextos próprios. Essa garantia é fruto de várias lutas travadas em prol das pessoas surdas, por respeito a sua língua e cultura. E impacta no desenvolvimento da subjetividade e no exercício da cidadania. A legislação educacional atual garante os direitos dessa comunidade a uma educação que atenda suas condições linguísticas.
Em resposta à Primeiro post

Re: Forum de Discussão

por Maria Jucineide de Souza -
As mudanças atuais na educação de surdos são influenciadas diretamente pelo que ocorreu no passado. Para entendermos melhor, podemos analisar tanto os pontos positivos quanto os negativos. Historicamente, a educação de surdos foi marcada pela exclusão e pela segregação. Muitos surdos foram privados de educação formal, sendo considerados incapazes de aprender por métodos convencionais.
E, ainda hoje, resquícios dessa exclusão podem ser observados, especialmente em contextos onde políticas de inclusão não são efetivamente implementadas, pois alguns surdos enfrentam barreiras para acesso a educação de qualidade, seja pela falta de recursos adequados, falta de intérpretes, ou preconceitos enraizados.